Catadores De Caranguejo No Essay

Introduction

Mangrove forests are productive ecosystems found along the coastal zones of Brazil, providing several profitable resources such as timber, medicinal products, natural dye, fish, crustaceans, and molluscs. For the littoral dwellers of Northeast Brazil, the Brachyura crabs are a major economic resource. The main species they commercialize are the 'goiamum' (Cardisoma guanhumi), 'siris' (Callinectes spp), and the land crab 'caranguejo-uçá' (Ucides cordatus). The land crab is the most exploited species, and of most relevance for people living in the surrounding mangrove areas in the State of Paraiba [1-3].

U. cordatus lives in an individual burrow ca. 1 m deep, situated under mangrove trees. Adult crabs have few predators, notably the crab-eating racoon (Procyon cancrivorous), monkeys, and hawks [4]. Despite this, a high predation pressure on U. cordatus is exerted by humans who harvest this species for food [5]. In the Northeast Region of Brazil, the exploitation of U. cordatus holds particular socio-economic importance since it involves many local residents, who benefit from both direct and indirect employment [2,3]. Crab gatherers have observed that the natural stock of U. cordatus has decreased alarmingly since 1998, when an unexpected crab mass-mortality event occurred in the mangrove habitats of the Paraiban littoral [3]. The subsequent low crab abundance created social problems in the surroundings of those mangrove areas and seriously affected the economic welfare of poor people who depend upon crab gathering for their livelihoods.

The need for research on the exploitation of mangrove ecosystems and on U. cordatus in particular was emphasized by Maneschy [6], who also suggested the need to study the socio-economics of crab collecting, which has recently experienced an increase in production demand. The life of gatherers is intimately linked to ecological processes and cycles, and their daily involvement with the exploitation of other natural resources will likely help them to develop harvesting strategies for maximizing the crab catch efficiency. An understanding of the ecology of U. cordatus by local gatherers is an important component of the process of exploitation [2,6].

In recent years, researchers have emphasized the importance of traditional knowledge amongst fishermen. They have also emphasized the potential role that traditional fishing practices can play in the development and implementation of sustainable fishery management in the modern world [7-9]. Human communities which rely directly on their natural resources for subsistence, often have a detailed understanding of their local environment [10-12]. The economic, social, and cultural activities of such people often depend upon local environmental goods and services [13].

Ecologists and environmental managers have generally disregarded the possibilities of learning from the traditional human communities [14]. However, a recent acknowledgment of their relevance has led to an intensification of studies on traditional knowledge [14-18]. In Brazil alone, Diegues [19] listed 868 relevant publications on traditional human populations, of which nearly 80% were published over the last 20 years, and mainly in the last decade.

Traditional knowledge may help in the establishment of management plans aimed at the sustainable exploitation of natural resources [2,3]. Nordi [20] observed that the government environmental organization controlling the capture of U. cordatus does not consider local human knowledge of the ecology of the species, a fact that possibly explains the poor effectiveness of the regulations governing the exploitation of this resource. U. cordatus individuals are caught manually or by the use of some tools which allow easier access to them. In most of Brazilian States professional crab gatherers are male [21].

During normal harvest procedures gatherers select crabs with respect to both sex and size. In particular, male crabs are preferred due to their higher flesh yield [22]. Gatherers have developed the ability for distinguishing the sex of crabs as inferred from the track the animal leaves close to burrow openings, as well as from the size of burrow entrances. This perception is important since it directly influences the capture process since large male crabs are preferred due to their higher commercial value. The aim of the present work is to evaluate the ability of gatherers to discriminate the sex and size of crabs, and the importance of this ability on the development of successful harvest strategies. It is also intended here to evaluate the implications of this perception for establishing measures aimed at the conservation and management of U. cordatus.

Methods

Study areas

The research was carried out in the mangrove forests of the Mamanguape river, Northeast Brazil, located between lat 06°43' and 06°51' S, and long 35°07' and 34°54' W. The estuary studied here, is nearly 24 km long from east to west, and 2.5 km wide nearest to the river mouth (Figs ​1 and ​2).

Figure 1

Map showing the estuary of the River Mamanguape.

Figure 2

Aerial view of River Mamanguape estuary (Photo: João Carlos).

All the area of the influence of the Mamanguape river is within the permanent protected area (APA, in Portuguese) of 'Barra do Rio Mamanguape' of IBAMA (the Brazilian Institute for the Environment and Natural Resources), formed also by the estuaries of the rivers Miriri and Estivas, and covering a total of 14,460 ha. In that estuary there is a large extension of mangrove forest, islands, and islets (the latter formed by sandy-clay-loam banks), and barrier reefs in the rivers mouths together form an elongated sand bar. The whole area is located in the municipalities of Rio Tinto, Marcação, and Lucena, in the State of Paraíba (Figure ​2).

The estuary of the APA includes ca. 6,000 ha of a reasonably well preserved mangrove forest, the largest of its kind in the State of Paraíba. The common trees are Rhizophora mangle, Avicennia germinans, A. schaueriana, Laguncularia racemosa and Conocarpus erectus. The tallest R. mangle trees reach 25 m and are up to 60 cm DBH (diameter at breast height); A. germinans trees are taller than 30 m and have up to 65 cm DBH [1].

Despite the fact that the Mamanguape mangrove forest is relatively well preserved, some sites appear to be affected by anthropogenic activities, mainly derived from sugar cane cultivation. Watanabe [23] reported water contamination in one of the estuary tributaries from sugar cane plantations. According to local fishermen, a decrease in fish production has been observed due to an increase in the amount of agrochemicals used in plantations along the river banks.

Procedures

The research was performed between November and October 2002. Before starting the field work, a meeting was held with crab gatherers to inform them about the goals of our study, and research methods, and to propose their participation in our investigations.

In order to respect indigenous intellectual property rights, we followed an informal research protocol: before the survey, we briefly explained the nature of the research and specific objectives to each interviewee [28]. We were precluded from adopting a formal approach using interview consent forms, owing to the poor level of organization among the community of gatherers, and high illiteracy rates [2,3].

We selected ten gatherers typical of the community of gatherers, with each having at least 20 years of experience and being from the middle income range. The perception and discrimination ability of crab gatherers was analysed through direct observations, as a 'non-member participant observer' [24], complemented by open interviews and informal conversations [25-27]. Each gatherer was interviewed individually, there was no time limit for the interviews and they lasted between 1 and 3 hours each. We joined the gatherers (one at a time) in their daily activities. During the course of the study they captured 210 crabs. Morphological measurements were taken using venier callipers, accurate to 1 mm. Crab carapaces were measured with respect to: (a) height, taken dorsoventrally from its central point; (b) length, taken from the sagittal plain on the dorsal surface of the animal; and (c) width, taken transversally from the first pair of pereiopods. The carapace width corresponds to the largest body dimension (Fig. ​3). The burrow opening of each caught animal was simultaneously measured with respect to height (the longest axis) and to width (the shortest axis).

Figure 3

Morphometric measurements taken from the carapace of Ucides cordatus (Photo: Guy Nishida).

The gatherer was asked to guess the sex the animal he was going to catch. His perception was then evaluated after a careful examination of the crab external sexual characteristics, following Mota Alves [29]. The possible association between what gatherer expectation and observed sex classification was evaluated using a chi-square test in a 2 × 2 contingency table with Yates correction [30].

Results

The carapaces length ranged from 3.2 cm to 5.8 cm, with a mean of 4.27 cm (± 0.424); the width ranged from 4.1 cm to 6.7 cm with a mean of 5.53 cm (± 0.537); and the height ranged from 2.6 cm to 6.2 cm with a mean of 3.52 cm (± 0.480). The height of the burrow openings ranged from 3.4 cm to 7.3 cm with a mean of 5.72 cm (± 0.694), and the width ranged from 3.2 cm to 7.1 cm with a mean of 5.21 cm (± 0.693). The data for both carapace size and burrow entrance size were normally distributed.

The correlation analysis performed on the burrows opening dimensions and carapace dimensions showed positive and significant correlations (p < 0.05) (Table ​1).

Table 1

Pearson's correlation (r values) between the burrow opening dimensions and the Ucides cordatus carapace dimensions (n = 210; * significant at p < 0.05).

The variables with the most biological significance with respect to crab behaviour of going into and coming out of the burrows, are the width of the burrow opening and the crab carapace length. The regression analysis performed with these two variables generated the equation: burrow opening width = 1.02 + 0.98 × crab length; and showed that each centimetre increase of the carapace length corresponds to 0.98 cm increase of the burrow opening width (r = 0.60; p < 0.05).

The crab gatherers reported that they are able to distinguish male from female animals through the tracks their limbs leave on soil at the burrow entrance (Fig. ​4). The females do not have virtually any hairs in their legs (Fig. ​5), and leave thin deep tracks at the burrow entrance, in opposition to the hairy legs of males (Fig. ​6), leaving relatively wide and shallow tracks. Figure ​7 shows a land-crab gatherer during harvesting activities.

Figure 4

Ucides cordatus specimen entering the burrow (Photo: Guy Nishida).

Figure 5

Legs of Ucides cordatus females virtually without hairs (Photo: Guy Nishida).

Figure 6

Hairy legs of Ucides cordatus males (Photo: Guy Nishida).

Figure 7

Gatherer of the land crab 'caranguejo uçá' (Ucides cordatus) in the mangrove habitat the River Mamanguape estuary.

The data obtained in this study showed a highly successful perception of crab sex amongst gatherers, i.e. 75.2% of the 210 individuals caught were successfully identified with respect to sex, of which 45.2% were males and 30% were females (Table ​2). The chi-square test showed a positive and highly significant association (χ2 = 53.27; df = 1; p < 0.01) between the animal sex expected by the crab gatherer, and the sex recorded following examination of the animals. The 24.8% of mis-identifications comprised of 6.7% of the males and 18.1% of the females they caught. Consequently, mis-identifications are nearly three times more likely in the case of female individuals compared to males (Table ​2).

Table 2

Percentage success of sex perception of Ucides cordatus crabs by local gatherers.

Discussion

The proportionality between the crab's carapaces and the burrow openings had already been reported by other authors [31-33]. Their results were confirmed by this present study.

The correlation analysis showed that the crab morphometric values of length and width, as well as burrow opening dimensions were the main variables which had a significant association. The following conclusions can be reached from our results: carapace height was weakly correlated with burrow opening height (r = 0.37) and with burrow opening width (r = 0.40), probably because U. cordatus individuals enter the burrow by flexing their chelipeds frontally to the body, in a way that the longest axis of the burrow opening (its height) corresponds to the carapace height (Figure ​3). This lateral movement of young and adult male and female crabs was also observed by Costa [33]. Geraldes and Calventi [34] reported that the 'caranguejo-uçá' enters the burrow laterally, positioning first either the largest or the smallest claw. They also observed that the burrow opening was a little larger (0.34 cm) than the crab carapace length.

The gatherers' observation that the larger the burrow the bigger the crab (as was confirmed by the present study), is important with regard to maximising the harvest obtained by the gatherers.

With respect to the gatherers perception of crab sex, Maneschy [6] also reported that in Pará State, North of Brazil, they distinguish the crabs' sex through their tracks left in front of the burrow openings, but that sometimes mistakes are made. According to crab gatherers of River Mamanguape area, some other factors affect their ability to successfully discriminate the sex of crabs, including the tide dynamics and sediment compaction. Areas washed away by high tides or with hardened sediments, are difficult places to recognize the crabs tracks. Gatherers are also aware of the sex and size of the crabs they target by direct observation of the burrow entrances. Therefore the catches are selective, since large male specimens have a higher commercial value.

Based on the catch selectivity of U. cordatus individuals, where both smaller sized and female individuals are not collected but returned to their habitat, Ivo and Gesteira [22] stated that this crustacean can be sustainably harvested. However, despite this conclusion, depletions of natural stocks of U. cordatus have been reported in the States of Paraíba [2,3], Espírito Santo [35], and Pará [36]. It is therefore important to consider several other factors, besides exploitation through human harvesting, that have contributed to reduce natural populations of U. cordatus, the most important of which is habitat degradation. In Brazil, like in many other tropical countries, mangrove forests have been widely cleared through anthropogenic activities

Another important factor is the precarious social conditions within which the crab gatherers' families survive [2,3], a factor that is associated with the unpredictability of both the capture success of the animal and market demand, and often forces gatherers to harvest crabs in a non-selective approach [37]. All interviewees had a low income of about US$ 100 per month (roughly equal to the minimal wage in Brazil). Crab gathering is the most important means of subsistence for the families of the crab gatherers, despite their supplemental income from small-scale agriculture activity, and the extraction of other natural resources. Crab gatherers are economically marginal groups, extremely poor and largely ignored by other artisanal fishermen. Despite this, the animals they capture are an important component of regional cuisine, as well as being sold commercially in urban centers.

The focus on crab harvesting as providing the economic foundation of these communities may lead them to an economic dependence on buyers, who are therefore in a position to exploit the gatherers. This would mask their perception about their harmful actions on the environment. In the case of common resources, a subject discussed by Burke [38], we agree that '... simply because resource users are not aware of the collective environmental costs of resource use does not make them irrational. It simply means their resource use follows a rationale other than the logic of the commons – possibly the logic of consuming more of a thing for which they have a preference'.

At the present time and despite prohibitions imposed by the government concerning the minimum size of crabs allowed to be caught, small sized and female specimens are also being collected. Therefore, the size-selective harvesting is practised only at sites where large crabs are abundant. This present situation may lead to an over-exploitation of crab populations in mangrove forests of the State of Paraíba, especially at sites presently experiencing strong anthropocentric pressure. A similar situation has been observed in the mangrove ecosystems of the States of Rio de Janeiro and São Paulo, where U. cordatus is considered to be under risk of extinction [39,40].

As observed by Bergallo [39] the decrease in the rate at which the individuals of some species can meet each other, is a clear sign of the reduction in population size. This observation corroborates the need to carry out conservation programs, especially considering that U. cordatus is a valuable economic resource. The strong (and perhaps unsustainable) predation pressure exerted on this species through human exploitation can be interpreted as a consequence of (1) the lack of an efficient environmental management policy, (2) the lack of studies and actions regulating the commercialization of its catch, and (3) the lack of alternative socio-economic proposals aimed at improving the welfare of local human communities directly involved with the exploitation of U. cordatus.

The implementation of a successful management strategy fundamentally requires the involvement of the main stakeholders, who must be made aware of the need for the conservation of the natural resource as a guarantee for its sustainable exploitation [41]. In this sense, the gatherers are critical stakeholders in the process of establishing management plans, which would ensure the sustainable exploitation of the resource. In Brazil, management of coastal fisheries is usually imposed on local communities by the federal government, without taking the either traditional knowledge or the reality of their socioeconomic conditions into consideration – with negative consequences for management plans.

The knowledge derived from traditional fishermen may contribute to strategic ecological managements [42], particularly in research areas with scarce or non-existent data [43,44]. Ethnoecological studies may also help in promoting dialogue and cooperation between fishers and scientists. The scientific literature illustrates the significance and value of traditional knowledge in Brazil. Alves and Nishida [2], for example, reported on the influence of tide variations on the ecdysis of the mangrove crab Ucides cordatus in natural environments, based on information obtained from gatherers. Marques [45] also reported the gathering of relevant local information on the diet of an estuarine fish (Arius herzbergii, Ariidae).

Cultural values and perceptions arising from more experienced elder people need to be taken into account before any decision about their livelihoods can be considered by the relevant governmental authorities. Their contributions are essentially concerned with the sustainable management of local resource, and such contributions unfortunately have not yet been given satisfactory representation in the decision making process.

Conclusion

The results obtained here make evident that gatherers of Ucides cordatus have developed an intimate knowledge of the natural history of this species. Thus, they have developed skills that led them to become efficient harvesters. The unique nature of this local knowledge demonstrates the need for considering these factors in the implementation of management plans of coastal mangrove ecosystems. Gatherers' knowledge can provide a useful basis for understanding local crab stocks and their population dynamics. This kind of information may be used for establishing extractive reserves as well as for delimiting the harvest season and for establishing protected areas where animal species reproduce, aiming to maintain their natural stocks.

In the State of Paraíba the law prohibits that females of any size and males smaller than 4.5 cm of carapace length be captured. We believe that the re-examination of the existing laws of crab harvesting and other crustaceans are urgently needed for the preservation of natural stocks of these animals. The gatherer's environmental perception and its consequent influence on capture efficiency, are the main factors to be considered when making decisions about sustainable exploitation of mangrove ecosystems resources. Such decisions would only be effectively applied if the local knowledge held by crab gatherers as well as their socioeconomic conditions do not continue to be ignored by governmental authorities.

Acknowledgements

We are grateful for the cooperation of gatherers of 'caranguejo-uçá' in Paraíba State, since our research was founded on their knowledge. We are also grateful to CAPES (Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior), WWF and USAID for financial supports, and to Dr Breno Grisi for translating this work into English and Toby Gardner for English comments and suggestions.

References

  • Palludo D, Klonowski VS. Série Cadernos da Reserva da Biosfera. Vol. 16. Mata Atlântica, MAB, UNESCO; 1999. Barra de Mamanguape – PB: Estudo do impacto do uso de madeira de manguezal pela população extrativista e da possibilidade de reflorestamento e manejo dos recursos madeireiros; pp. 7–54.
  • Alves RRN, Nishida AK. A ecdise do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Crustacea, Decapoda, Brachyura) na visão dos caranguejeiros. Interciencia. 2002;27:110–117.
  • Alves RRN, Nishida AK. Aspectos socioeconômicos e formas de percepção ambiental dos catadores de caranguejo-uçá Ucides cordatus cordatus (L. 1763) (Decapoda, Brachyura) do estuário do rio Mamanguape. Interciencia. 2003;28:36–43.
  • Koch V. PhD thesis. University of Bremen; 1999. Epibenthic production and energy flow in the Caeté mangrove estuary, North Brazil.
  • Diele K. Zentrum fur Marine tropenökologie. Center for Tropical Marine Ecology. Bremen; 2000. Life history and population structure of the exploited mangrove crab Ucides cordatus (L.) (Decapoda: Brachyura) in the Caeté estuary.
  • Maneschy MC. A mulher está se afastando da pesca? Continuidade e mudança do papel da mulher na manutenção doméstica entre famílias de pescadores no litoral do Pará Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Antropologia. 1995;11:145–166.
  • Diegues AC. Sea tenure, traditional knowledge and managementamong brazilian artisanal fishermen. NUPAUB. Universidade de São Paulo; 2002.
  • Ruddle K. Systems of knowledge: Dialogue, relationships and process. Environment, Development and Sustainability. 2000;2:277–304. doi: 10.1023/A:1011470209408.[Cross Ref]
  • Cordell JC. Third Conference on Property rights, economics and environment. International Center for research on Environmental issues, Aix-en-Provence, France; 2000. Remaking the waters: the signficance of sea tenure-based protected areas.
  • Berlin B. Ethnobiological Classification Principles of Categorization of Plants and Animals in Tradicional Societes. Princeton University Press; 1992.
  • Gadgil M, Berkes F, Folke C. Indigenous knowledge for biodiversity conservation. Ambio. 1993;22:151–156.
  • Berkes F. Sacred Ecology – Traditional Ecological Knowledge and Resource Management. Taylor & Francis, Philadelphia; 1999.
  • Diegues AC. Os pescadores artesanais e a questão ambiental Povos e Mares. NUPAUB, São Paulo, Brasil; 1995.
  • Poizat G, Baran E. Fishermen's knowledge as background information in tropical fish ecology: a quantitative comparison with fish sampling results. Environmental Biology of fishes. 1997;50:435–449. doi: 10.1023/A:1007317423165.[Cross Ref]
  • Johannes RE. Fishing and traditional knowledge. In: Johannes RE, editor. Traditional Ecological Knowledge: a Collection of Essays. IUCN, Gland; 1989. pp. 39–42.
  • Pajaro MG, Vincent ACJ. Seahorse conservation in Central Philippines: a community-based approach. Sea Wind. 1996;10:7–12.
  • Pajaro MG, Vincent ACJ, Buhat DY, Perante NC. The role of seahorse fishers in conservation and management. Proceedings of the 1st International Symposium in Marine Conservation Hong Kong. 1997. pp. 118–126.
  • Skaptadóttir UD. Women coping with change in an iceland fishing community: a case study. Women's Studies International Forum. 2000;23:311–321. doi: 10.1016/S0277-5395(00)00089-3.[Cross Ref]
  • Diegues CA, Arruda RSV, Silva VCF, Figols FAB, Andrade D. Biodiversidade e comunidades tradicionais no Brasil: Os saberes tradicionais e a Biodiversidade no Brasil. NUPAUB-USP, PROBIO-MMA, CNPq, São Paulo; 1999.
  • Nordi N. A captura do caranguejo-uçá (Ucides cordatus) durante o evento reprodutivo da espécie: o ponto de vista dos caranguejeiros. Revista Nordestina de Biologia. 1994;9:41–47.
  • Vergara Filho WL, Pereira Filho O. As mulheres do caranguejo. Ecologia e Desenvolvimento. 1995;5:34–36.
  • Ivo CTC, Gesteira TCV. Sinopse das observações sobre a bioecologia e pesca do caranguejo-uçá, Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763), capturado em estuários de sua área de ocorrência no Brasil. Boletim Técnico Científico CEPENE. 1999;7:9–51.
  • Watanabe T, Oliveira RB, Sassi R, Melo GN, Moura GF, Gadelha CL, Machado VMN. Evidences of contamination caused by sugar-cane monoculture and associated industrial activities in water bodies of the State of Paraíba, Northeast Brazil. Acta Limnologica Brasiliensia. 1994;5:85–101.
  • Sttebins RA. Fitting in: the researcher as learner and participant. Quality and Quantity. 1987;21:103–108.
  • Huntington HP. Using traditional ecological knowledge in science: methods and applications. Ecological Applications. 2000;10:1270–1274.
  • Mello LG. Antropologia cultural Editora Vozes, Rio de Janeiro. 1995.
  • Chizzoti A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. Cortez editora, São Paulo; 2000.
  • Silvano R, Begossi A. Local knowledge on a cosmopolitan fish Ethnoecology of Pomatomus saltatrix (Pomatomidae) in Brazil and Australia. Fisheries Research. 2005;71:43–59. doi: 10.1016/j.fishres.2004.07.007.[Cross Ref]
  • Mota Alves MI. Sobre a reprodução do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Linnaeus), em mangues do Estado do Ceará (Brasil) Arquivos de Ciências do Mar. 1975;15:85–91.
  • Zar JH. Biostatistical Analysis. Prentice-Hall, Englewood Cliffs. NJ, USA; 1984.
  • Alcântara-Filho P. Contribuição ao estudo da biologia e ecologia do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (L. 1763) (Crustacea, Decapoda, Brachyura), no manguezal do rio Ceará (Brasil) Arquivos de Ciências do Mar. 1978;18:1–41.
  • Blankensteyn A, Cunha Filho D, Freire AS. Distribuição, estoques pesqueiros e conteúdo protéico do caranguejo do mangue Ucides cordatus (L. 1763) (Brachyura Ocypodidae) nos manguezais da Baía das Laranjeiras e adjacências, Paraná, Brasil. Arquivos de Biologia e Tecnologia. 1997;40:331–349.
  • Costa RS. PhD Thesis. , USP-University of São Paulo, São Paulo State, Brazil; 1972. Fisioecologia do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) -Crustáceo, Decápode – do Nordeste brasileiro.
  • Geraldes MG, Calventi IB. Estudios experimentales para el mantenimiento en cautiverio del cangrejo Ucides cordatus. Ciencia Interamericana. 1983;23:41–53.
  • Nunes AGA. MSc Dissertation. UNICAMP-Campinas University, Campinas, São Paulo State, Brazil; 1998. Os argonautas do mangue: uma etnografia visual dos caranguejeiros do Município de Vitória – ES.
  • Gondim M, Araújo FB. Redução dos tamanhos dos caranguejos (Ucides cordatus L.) capturados nos manguezais de Maracanã, zona do Salgado Paraense [abstract] Anais do 3° Congresso de Ecologia do Brasil. 1996. p. 260.
  • Nordi N. PhD Thesis. UFSCar-Federal University of São Carlos, São Carlos, São Paulo State, Brazil; 1992. Os catadores de caranguejo-uçá (Ucides cordatus) da região de Várzea Nova (PB): Uma abordagem ecológica e social.
  • Burke BE. Hardin Revisited: A Critical Look at Perception and the Logic of the Commons. Human Ecology. 29:449–476. doi: 10.1023/A:1013145905257.[Cross Ref]
  • Bergallo HG, Rocha CFD, Van Sluys M, Alves MAS. A fauna ameaçada de extinção do Estado do Rio de Janeiro. EdUERJ, Rio de Janeiro; 2000.
  • Governo do Estado de São Paulo . Fauna ameaçada no Estado de São Paulo. Série PROBIO/SP. Secretaria do Meio Ambiente; 1998.
  • Rodrigues AMT, Branco EJ, Saccardo AS, Blankensteyn A. A explotação do caranguejo Ucides cordatus (Decapoda: Ocypodidae) e o processo de gestão participativa para normatização da atividade na região Sudeste- Sul do Brasil. Boletim do Instituto de Pesca. 2000;26:63–78.
  • Seixas C, Begossi A. Ethnozoology of caiçaras from Aventureiro, Ilha Grande. Journal of Ethnobiology. 2001;21:107–135.
  • Ruddle K. A Guide to the Literature on Traditional Community-Based Fishery Management in the Asia-Pacific Tropics. Rome: FAO Fisheries Circular Number 869, FIPP/C869; 1994.
  • Johannes RE. The case for data-less marine resource management: examples from tropical nearshore finfisheries. Trend in Ecology and Evolution. 1998;13:243–246. doi: 10.1016/S0169-5347(98)01384-6.[PubMed][Cross Ref]
  • Marques JGW. PhD Thesis. Universidade Estadual de Campinas, São Paulo; 1991. Aspectos ecológicos na etnoictiologia dos pescadores do complexo estuarino-lagunar de Mundaú-Manguaba, Alagoas.

Revista: Caribeña de Ciencias Sociales
ISSN: 2254-7630


INTERAÇÃO HOMEM-NATUREZA: OS PESCADORES, OS CARANGUEJOS E O MANGUEZAL

Autores e infomación del artículo

Patrick Heleno dos Santos Passos
Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca

Suezilde da Conceição Amaral Ribeiro
Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará

Mário Médice Costa Barbosa
Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará

Waldemar Londres Vergara Filho
Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

ckpassos@hotmail.com

Resumo

O artigo visou descrever parte do complexo cenário da pesca artesanal do caranguejo-uçá (U.Cordatus) no estado do Pará, especificamente em unidades de conservação na categoria reserva extrativista marinha. Assim como, perceber o processo de interação entre os pescadores artesanais de caranguejo, suas vivências e práticas de trabalho cotidianas no ecossistema de manguezal e o recurso pesqueiro do caranguejo-uçá, nesse contexto.  

Palavras chaves: Pescadores artesanais de caranguejo, Reservas extrativistas marinhas, Manguezal e Caranguejo-Uçá.

Abstract:
This article aims to describe part of the complex scenario of fishing for land crab (U.Cordatus) in Para state, specifically in protected areas in the marine extractive reserve category. As well as understand the process of interaction between artisanal fishermen crab, their experiences and daily work practices in the mangrove ecosystem and the fishery resources of the land crab in this context.

Key words: Artisanal fishermen crab, marine extractive reserves, mangroves and land crab.

Resumen:
Este artículo tiene como objetivo describir parte del complejo escenario de la pesca del cangrejo de tierra (U.Cordatus) con el fin de estado, específicamente en las áreas protegidas de la categoría de reserva de extracción marina. Así como entender el proceso de interacción entre el cangrejo pescadores artesanales, sus experiencias y prácticas de trabajo diario en el ecosistema manglar y los recursos pesqueros del cangrejo de tierra en este contexto.

Palabras clave: cangrejo pescadores artesanales, las reservas marinas extractivas, los manglares y los cangrejos de tierra.



Para citar este artículo puede uitlizar el siguiente formato:

Patrick Heleno dos Santos Passos, Suezilde da Conceição Amaral Ribeiro, Mário Médice Costa Barbosa y Waldemar Londres Vergara Filho (2016): “Interação homem-natureza: os pescadores, os caranguejos e o Manguezal”, Revista Caribeña de Ciencias Sociales (marzo 2016). En línea: http://www.eumed.net/rev/caribe/2016/04/manguezal.html
http://hdl.handle.net/20.500.11763/CARIBE-2016-04-manguezal


  1. INTRODUÇÃO

            Ao traçar uma sólida linha divisória entre o homem e os animais, o principal propósito dos pensadores do início do período moderno era justificar a caça, a domesticação, o hábito de comer carne, a vivissecção (que se tornara prática científica corrente, em fins do século XVII) e o extermínio sistemático de animais nocivos ou predadores. Mas essa insistência tão grande em distinguir o humano do animal também teve consequências importantes para a relação entre homens. Com efeito, se a essência da humanidade era definida como consistindo em alguma qualidade específica, seguia-se então que qualquer homem que não demonstrasse tal qualidade seria sub-humano ou semianimal. “O contraste entre o homem e não homem fornece uma analogia para o contraste entre o membro da sociedade humana e o estranho a ela” (THOMAS, 2010).
            Os manguezais são fontes de subsistência e renda para as comunidades que habitam suas áreas de entorno (ALVES e NISHIDA, 2003; GLASER e DIELE, 2004; WALTER et al., 2012). Ao assimilar essa condição de dependência e, ao mesmo tempo, de controleparcial da natureza, as comunidades de pesca artesanal desenvolvem estratégias de convivência com o meio ambiente que se diferem, consideravelmente, das comunidades urbanas e das comunidades essencialmente rurais (Caetano, 2015). Diegues (1983) atesta que, até mesmo onde existem pescadores-lavradores, os mesmos se diferenciam do pescador artesanal, tanto pelas relações que ele tem com a natureza como pelas estratégias de controle que se deve ter em um ambiente aberto, vulnerável e em contínua mudança. Assim também na relação com o trabalho.
            A experiência dos membros da comunidade a partir do trabalho diário das atividades extrativistas permite a aquisição de conhecimento sobre os recursos naturais disponíveis (DIEGUES e ARRUDA, 2001; ROCHA et al., 2008).
            Dentre os principais recursos alimentares extraídos dos manguezais estão peixes, moluscos e, principalmente, crustáceos. As espécies de crustáceos braquiúros Ucides cordatus Linnaeus, 1763 (caranguejo-uçá) e Cardisoma guanhumi Latreille, 1825 (guaiamum) são os principais recursos explorados por comunidades extrativistas ao longo dos manguezais da costa brasileira (ALVES e NISHIDA, 2002; FISCARELLI e PINHEIRO, 2002; ALVES e NISHIDA, 2003; FIRMO et al., 2011).
            Caetano (2015) estudando práticas e interações entre marisqueiras no ambiente pesqueiro, relata que os(as) pescadores(as) artesanais não se assemelham aos(às) trabalhadores(as) regidos(as) pelo patronato, pois não precisam de um chefe, patrão ou supervisor para inspecionar o desenvolvimento do trabalho, visto que entendem o território pesqueiro como um espaço sem dono, natural, sagrado e coletivo (SILVA, 2015).
            Considerando que a cata do caranguejo no litoral brasileiro é uma atividade informal, a situação dos trabalhadores catadores de caranguejo é de penúria e exclusão, por se encontrarem desassistidos de suas garantias mínimas de sobrevivência pelo poder público, desde o acesso a programas sociais até a obtenção de documentos pessoais (SOARES e GOMES, 2014).
            Os manguezais do litoral paraense abrigam uma parcela significativa dos manguezais brasileiros, que associados aos bosques de mangue do Amapá e Maranhão, perfazem o maior conjunto de manguezais do planeta, o que denota ao espaço litorâneo paraense riqueza significativa em recursos naturais, e consequentemente, de potencialidade aos mais variados usos (PROST e MENDES et al, 2013).
            Diante do exposto, o artigo visou descrever parte do cenário da pesca artesanal do caranguejo-uçá (U.Cordatus) no estado do Pará, especificamente em unidades de conservação na categoria reserva extrativista marinha. O enfoque principal visou descrever o processo de interação entre os caranguejeiros, o ecossistema de manguezal e o recurso pesqueiro do caranguejo-uçá, nesse contexto.  

2.1  ÁREA DE ESTUDO

A zona costeira amazônica estende-se ao longo dos estados do Maranhão, Pará e Amapá com aproximadamente 2.250 km de extensão, excluindo-se as reentrâncias do litoral e as ilhas, ao longo da quais dezenas de estuários recortam a linha de costa (Souza Filho et al.,2005). Além de constituir uma das maiores extensões contínua de manguezais do planeta, acosta de manguezais do Maranhão, Pará e Amapá, com aproximadamente 8.900 km2 de área (Kjerfve et al., 2002), é caracterizada pelo baixo relevo, extensa planície costeira, alta drenagem e processos ativos de erosão e sedimentação (Souza Filho et al., 2004). Essa região apresenta também diferentes sistemas, como marismas, restingas e outras vegetações costeiras (Bastos, 1988; Santos & Rosário, 1988).

2.2 PROCEDIMENTOS MÉTODOLOGICOS
            A natureza da pesquisa é básica, consiste em analisar a relação do homem com ecossistema manguezal, os procedimentos utilizados são levantamento bibliográfico e documental; bem como levantamento de dados sobre as práticas e dinâmicas sociais que marcam a interação entre os sujeitos e o ecossistema manguezal que dizem respeito ao tema. A natureza da mesma é qualitativa é o lócus da pesquisa é o recorte que compreende o ecossistema manguezal no estado do Pará.

  1. RESULTADOS E DISCUSSÕES
    1. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E COMUNIDADES TRADICIONAIS

O Brasil possui 320 unidades de conservação federal geridas pelo Instituto Chico Mendes da Biodiversidade, estabelecidas a partir de decreto presidencial ou lei e dividem-se em dois grupos que compreende duas tipologias, sendo o primeiro de proteção integral e o segundo de uso sustentável que se subdividem em 12 categorias segundo ICMBIO (2014a). Portanto, cinco categorias são voltadas para a proteção integral, onde é permitido o uso indireto, ou seja, o que não envolve consumo, coleta (intensiva) ou dano dos recursos naturais, como turismo ecológico e pesquisa científica. As outras sete categorias são destinadas ao uso sustentável, que envolve o manejo, para fins comerciais ou não, dos recursos (BRASIL, 2000).
A esse respeito se faz importante caracterizar o estado do Pará e sua importância para o contexto geopolítico dos territórios tradicionais contidos nas unidades de conservação federal. A região amazônica concentra mais de ¼ das unidades de conservação federal do país, correspondendo a 88 reservas extrativistas de uso sustentável. O estado do Pará concentra o maior número de reservas extrativistas do país, sendo 11 reservas extrativistas florestais e 12 reservas extrativistas marinhas, totalizando 23 unidades de conservação do tipo resex`s.
As reservas extrativistas marinhas em território paraense correspondem a mais de 322 mil hectares (ICMBIO, 2014b) que contém um dos ecossistemas mais expressivos na costa brasileira, o manguezal, que é de extrema importância para a reprodução de peixes, moluscos, crustáceos e inúmeros micro-organismos, além da sobrevivência das populações humanas. São considerados terrenos da União (SENNA et al, 2002) e também vem sofrendo as consequências da forma de uso-ocupação dos espaços costeiros. 
O estado do Pará já se destacava, pois possuía nove reservas extrativistas marinhas, localizadas nos municípios Soure, Maracanã, Santarém Novo, São João da Ponta, Curuçá, Tracuateua, Bragança, Augusto Corrêa e Viseu, que auxiliam na conservação de uma área aproximada de 255.012,80 ha. Destes 148.984,50 ha são de ecossistema manguezal, contemplando 309 comunidades pesqueiras e um número aproximado de 28.100 famílias. ISAAC (2013).
Galizoni e Ribeiro (2011) destacaram que espaços de recursos naturais comuns no Brasil têm sido usados por populações historicamente marginalizadas, tais como caiçaras, ribeirinhos, povos indígenas e quilombolas. Tal característica relaciona-se à história da sociedade brasileira, fortemente ligada à monocultura e aos latifúndios, que açambarcaram as áreas principais de recursos de interesse comercial, sobretudo de exportação, subordinando as outras formas de produção ligadas aos recursos naturais. Nesse contexto, foram se mantendo as populações que se reproduziam socialmente a partir do uso comum de recursos, como os rios, os lagos, as praias, os mangues, os castanhais e babaçuais, nas franjas do sistema econômico predominante. Foi o que ocorreu com aqueles grupos sociais que, nos anos 1980, passaram a ser reconhecidos como populações tradicionais, conquistando em certos casos, o direito de acesso privilegiado aos recursos de que dependem na forma de unidades de conservação, como as RESESX (OLIVEIRA e MANESCHY, 2014).
Segundo Diegues et al (2000), as populações humanas que habitam os territórios das reservas extrativistas no Brasil são 13 grupos aos quais são chamados de  populações tradicionais não-indígenas: praieiros (pescadores artesanais do litoral amazônico), sitiantes, babaçueiros, pescadores, campeiros, quilombolas, pantaneiros, varjeiros (ribeirinhos não amazônicos), açorianos, caipiras, sertanejos, caboclos (ribeirinhos amazônicos), jangadeiros, caiçaras.
O conceito de “população tradicional” de acordo com Diegues (2005), Little (2002) e Cunha e Almeida (2001) é de uma diversidade de populações, que possuem grande conhecimento sobre os ambientes dos rios, igarapés e manguezais e dos seres aí encontrados; dependem diretamente dos recursos naturais do ambiente, tendo como premissas para seu uso os ciclos naturais (biológicos, climáticos, astronômicos), visando à produção e reprodução de seu modo de vida. O modo de vida é aqui tomado em sua acepção geral de práticas cotidianas de trabalho, de consumo, de vida familiar, de organização temporal das atividades, de lazer, conforme padrões, ou estilos, que caracterizam e distinguem grupos, comunidades ou, mais amplamente, sociedades. No modo de vida dessas populações, não há separações radicais entre o trabalho e as demais esferas da vida social, como sociabilidade, religião, obrigações familiares e vicinais etc.
Almeida (2004) afirma que um quarto do território brasileiro é ocupado por povos e comunidades chamadas tradicionais. Apesar da relevância e diversidade cultural que representam, estes grupos sociais possuem grande parte de seu passado na invisibilidade, tendo tido na Constituição de 1988 o principal fôlego para empreender uma luta pelo reconhecimento de seus direitos.
Na Amazônia, destacam-se, entre elas, os seringueiros, os quilombolas, as coletoras de coco de babaçu, os ribeirinhos e os ‘tiradores’ de caranguejo. Cunha e Almeida (2001) acrescentam que esses grupos querem ter controle sobre o território que exploram e, em troca desse controle, dispõem-se a conservar o meio ambiente. Nesse sentido, o conceito de ‘populações tradicionais’ não inclui os povos indígenas, pois seus direitos territoriais não são definidos em termos de conservação ambiental, como é o caso das reservas extrativistas, lembram os autores.
Sabendo do uso histórico do ecossistema manguezal pelas populações tradicionais paraenses e que os manguezais da costa norte brasileira compreendem os estados do Amapá, Pará e Maranhão e perfazem 70% dos manguezais brasileiros, o governo brasileiro publicou decreto presidencial no final de 2014 que amplia o número para doze de reservas extrativistas marinhas de uso sustentável no estado do Pará, localizadas na região do salgado paraense, nos municípios de São Caetano de Odivelas, Marapanim, Magalhães Barata e ampliação da reserva extrativista existente em Augusto Corrêa, segundo Brasil (2014).
Com as novas reservas extrativistas marinhas o número de famílias beneficiadas com a política ambiental preconizada pelo governo federal ultrapassa 34 mil, dispostas em 417 comunidades pesqueiras. O quadro estabelecido coloca-se como grande desafio na construção coletiva para os ajustes destas unidades, tendo em vista o elevado grau de exclusão sócio histórica destas populações e a busca constante pela execução de políticas públicas integradas que visem à conservação destes ambientes, conjugado com a manutenção dos aspectos culturais das comunidades tradicionais e a possibilidade do uso dos recursos para a geração de renda das comunidades tradicionais (VERGARA FILHO, 2007).
São diversas as razões para se estudar o ecossistema manguezal, porém, destaca-se o fato de que muitas comunidades humanas têm uma dependência tradicional desses ecossistemas para a sua subsistência, vez que servem de sítios de pesca e mariscagem para muitas comunidades ao longo da costa brasileira (Schaeffer- Novelli e Cintrón-Molero, 1999; Alves e Nishida, 2002). No Pará sua preservação é essencial para a manutenção de populações tradicionais de várias regiões (PROST e MENDES, 2013).
Segundo Furtado et al (2006), a dependência da maior parte da população costeira aos ecossistemas marinhos, como o ecossistema manguezal, é fato que se impõe à observação, à reflexão e ao debate interdisciplinar e interinstitucional, no sentido de: a) chamar a atenção para as questões que tomam conta do pensamento de muitos cientistas, tais como uso, super exploração, degradação e esgotamento; b) chamar atenção sobre o direito de uso dos recursos comuns e posse dos territórios costeiros e marinhos construídos, milenarmente, pelas populações tradicionais; c) desvelar as especificidades sociais e ambientais dessas populações tradicionais, em defesa do uso seletivo e da lícita apropriação dos mesmos; d) buscar um denominador comum para a sustentabilidade ou durabilidade dessa milenar relação entre o homem e meio ambiente, de modo a se ter um uso equilibrado dos recursos produzidos pelos ecossistemas em presença; e) minimizar conflitos e sugerir caminhos alternativos para a intervenção antrópica no universo costeiro que ora se faz por formas diversas.

    1. MANGUEZAL, PESCADORES E CARANGUEJOS.

            O manguezal está entre os ecossistemas que mais fornecem bens e serviços ambientais ao homem. Vários trabalhos científicos demonstram o valor deste sistema ecológico, por sua função como berçário para espécies marinhas e estuarinas, sua influência no clima local e global, seu papel no armazenamento e reciclagem de matéria orgânica e de nutrientes, controle da erosão, manutenção da biodiversidade e de recursos genéticos, dentre outros (HAMILTON et al., 1989; BARBIER, 1994; CONSTANZA et al., 1997; GILBERT e JANSSEN, 1998; RONNBACK, 1999; KAPLOWITZ, 2001). Devido à sua elevada produtividade, os manguezais brasileiros são habitados por diversas espécies de plantas e animais.
O ecossistema manguezal é o sistema ecológico costeiro tropical, dominado por espécies vegetais típicas, às quais se associam outros componentes da flora e da fauna, microscópicos e macroscópicos, adaptados a um substrato periodicamente inundado pelas marés, com grandes variações de salinidade (MACIEL, 1991).
O mangue abriga e alimenta uma fauna especial, formada principalmente por crustáceos, ostras, mariscos e caranguejos, numa impressionante abundância de seres que pulam entre suas raízes e suas folhas gordas, triturando materiais orgânicos, perfurando o mangal e umidificando o solo. Percebe-se que existem animais que buscam abrigo e proteção quando jovens, outros procuram o espaço para acasalar e outros para desovar, pois as condições ambientais são propicias ao desenvolvimento dessas fases biológicas (CASTRO, 1948).
            Segundo Vannucci (2002) o primeiro uso da palavra mangue encontrado foi em uma carta de Lopo-Homem-Reineis, datada em 1519, na qual a o termo mamguez (que era uma ortografia antiga do plural da palavra mangue) indicava uma área do “golfo dos Reyes”, hoje conhecido como Angra dos Reis, localizada a oeste e ao sul da cidade do Rio de Janeiro.  A palavra mangle, também foi usada neste mesmo ano pelos espanhóis. Já Segundo Oxford (1613 apud VANUCCI, 2002), fala que a palavra inglesa mangrove é derivada da palavra portuguesa mangue e do espanhol mangle. Analisar esses conceitos teóricos de referência e agregar conceitos como mangue, que em português, serve para designar as árvores, de diferentes espécies, dessa comunidade, sendo a palavra manguezal utilizada para designar o conjunto de árvores, ou seja, a comunidade em si, o ecossistema de mangues, tendo a origem da palavra mangue (ou manguezal) e sobre a origem da palavra mangrove em inglês (MORAES e ALMEIDA, 2012).
Os manguezais são importantes como fonte de alimento e sustento econômico de comunidades humanas litorâneas, provendo abrigo e manutenção à rica e diversificada fauna associada, constituída principalmente de peixes, moluscos e crustáceos (SCHAEFFER-NOVELLI e CINTRÓN 1986: SCHAEFFER-NOVELLI 1987; ALMEIDA 1995).
Os bosques de mangue, além do valor para as populações locais como fonte de alimentação e sustento econômico, constituem patrimônio paisagístico e bioecológico considerável (ALMEIDA, 1996).
            Na costa marítima do Pará, os manguezais formam uma faixa quase contínua de aproximadamente 300 km, intercalados com trechos de várzeas estuarinas, enseadas, pequenas baias e restingas. Os mangues paraenses abrangem uma área estimada em cerca de 2 mil km2 (SUDAM 1988). Estes bosques pertencem às unidades fisiográficas II e UI, segundo a classificação em Scheiffer-Novelli et al. (1990). A primeira vai do Cabo Norte (Amapá) até a Ponta de Curuçá (01 °42'N - 00036'S), enquanto a segunda se estende de Curuçá à Ponta dos Mangues Secos, no golfo Maranhense.
De modo similar ao que ocorre em outros manguezais, no Pará este ecossistema recebe sedimentos provenientes do braço sul do rio Amazonas (rio Pará), carreados para a orla marítima pelos movimentos de marés e correntes (ALMEIDA, 1996).
Os manguezais figuram nas paisagens locais como lugares de labuta, especialmente quando se referem às atividades masculinas ligadas à coleta, ou ‘tiração’, do caranguejo-uçá (Ucides cordatus) (SILVEIRA e SOUZA, 2014).
            Silveira e Souza (2014) estudando o imaginário, trabalho e sexualidade no manguezal, mostram também o lado sagrado e místico desse ambiente de coleta de caranguejo: “A coleta do caranguejo ocorre no interior das densas florestas de mangue existentes na área litorânea da porção Nordeste do estado do Pará (PA), onde um rico universo de seres adere a uma ‘topografia fantástica’, envolvendo a presença e a agência de seres míticos denominados de encantados, percebidos como protetores das paisagens constituídas por áreas de manguezais, campos nativos e a orla marinha”.
Os caranguejos são um dos mais conhecidos habitantes dos mangues. Pertencem ao filo Arthropoda e à classe Crustácea, alimentam-se de detritos e são importantes para a dinâmica do manguezal, pois cavam buracos, formando verdadeiros túneis, provocando a aeração da lama, facilitando a circulação da água e fornecendo proteção a outros animais. Quando cavam estes túneis os caranguejos promovem a renovação de nutrientes de camadas mais profundas da lama, permitindo a reutilização destes nutrientes por plantas e outros micro-organismos.
Para Luederwaldt (1919), os caranguejos têm importância para o manguezal não apenas como um elo da cadeia alimentar ou como alimento para o homem e outros animais, mas também pelo trabalho constante de revirar a lama trazendo para a superfície a matéria orgânica que jaz em seu interior.
No ciclo de vida desse crustáceo, distinguem-se três principais fases: a ecdise (muda), o acasalamento (andada) e a desova. A ecdise constitui a etapa de crescimento do U. cordatus, ocorrendo geralmente uma vez por ano em indivíduos adultos, sendo mais frequente em jovens (RODRIGUES et al., 2000).
            Góes et al. (2000), estudando o comportamento reprodutivo de U. cordatus, definiram a ocorrência de quatro eventos principais relacionados à reprodução: a) caranguejo espumando (evento observado apenas em machos, que produzem uma espuma branca, exalando odor característico de caranguejo por todo o mangue); b) andada para acasalamento (comportamento pré-copulatório caracterizado por grande movimentação e batalhas entre machos, machos e fêmeas e entre fêmeas); c) acasalamento (observado na entrada das galerias, ocorre quando macho e fêmea permanecem entrelaçados ventre a ventre); d) liberação das larvas (que, no caso estudado pelo autor ocorreu durante todo o período de baixa-mar, nas margens dos canais de maré, quando as fêmeas abrem e fecham o abdome várias vezes enquanto liberam um líquido sobre os ovos, cuja função ainda é desconhecida).
Josué de Castro (1967) fazendo a relação do homem com o caranguejo nos mangues do Recife descreve a reprodução desse homem particular mediante a ecologia do ciclo do caranguejo que se desenvolve nos mangues: “Se a terra foi feita para o homem com tudo para bem servi-lo mangue foi feito essencialmente para o caranguejo”. Tudo aí é, ou está para ser caranguejo, inclusive a lama e o homem que vive nela. A lama misturada com urina, excremento e outros resíduos que a maré traz, quando ainda não é caranguejo vai ser. O caranguejo nasce nela, vive dela, cresce comendo lama, engordando com as porcarias dela, fabricando com a lama a carninha branca de suas patas e a geleia esverdeada de suas vísceras pegajosas. Por outro lado, o povo daí vive de pegar caranguejo, chupar-lhe as patas, comer e lamber os seus cascos até que fiquem limpos como um copo e com sua carne feita de lama fazer a carne do seu corpo e a do corpo de seus filhos. São duzentos mil indivíduos, duzentos mil cidadãos feitos de carne de caranguejos. O que o organismo rejeita volta como detrito para a lama do mangue para virar caranguejo outra vez.
Nesta aparente placidez do charco desenrola-se trágico e silencioso o ciclo do caranguejo; O ciclo da fome devorando os homens e os caranguejos todos atolados na lama.
Tais conhecimentos associados ao saber dos caranguejeiros a respeito do crustáceo podem, portanto, subsidiar estudos científicos relacionados à biologia e ecologia desse crustáceo. Para Johannes (1981,1989), observações diárias de pescadores sobre os recursos e o ambiente de pesca, junto com o conhecimento aprendido dos mais idosos, poderiam beneficiar estudos ecológicos. Posey (1984), Sillitoe (1998), e Morin-Labatut e Akhtar (1992) ressaltam que os saberes e técnicas tradicionais complementam o conhecimento científico em pesquisas básicas e sobre avaliação de impactos ambientais, manejo de recurso e desenvolvimento sustentável.
Embora seja conhecimento tradicional que as andadas costumam começar um a dois dias após a lua cheia ou nova (Nordi, 1994; Diele e Koch, 2010), a razão da alternância da ocorrência desse fenômeno nestas duas fases lunares é desconhecida. Assim, por precaução, a captura é proibida durante seis dias após a lua cheia, e seis dias após a nova.
Segundo os pescadores, é a partir do mês de março ou abril que os caranguejos iniciam uma fase de engorda, estendendo-se até setembro ou outubro. Esta fase é relacionada diretamente à queda das sementes do mangue, consideradas pelos pescadores o único item alimentar responsável pela engorda dos caranguejos (SOUTO, 2008).
A biologia, ecologia e o ciclo de vida do crustáceo possuem forte ligação com o ciclo lunar, vez que exerce grande influência sobre a vida na terra, sobretudo no ambiente marinho, uma vez que as marés são fortemente dependentes da posição da lua em relação ao nosso planeta (ALVES e NISHIDA, 2002).
Nesse aspecto o ciclo lunar e as variações das marés são fatores que exercem grande influência sobre o ciclo de vida do caranguejo, atuando diretamente no padrão geral de atividade desse crustáceo em seu habitat. Em virtude da importância destes fatores para o sucesso das capturas e a organização das atividades de coleta, os catadores desenvolveram um elaborado conhecimento sobre as fases da lua e os tipos de maré (ALVES e NISHIDA, 2002).
Desse modo, para aquelas comunidades tradicionais que vivem nas áreas costeiras, onde a pesca e a extração de recursos oriundos do manguezal constituem a principal fonte de renda, o conhecimento sobre a lua torna-se um fator preponderante na sobrevivência, em função da sua influência na organização das atividades de coletas e na biologia dos recursos explorados. Nas ocasiões em que o sol, a lua e a terra estão alinhados, em sizígia (conjunção ou oposição), as forças de atração gravitacionais somam-se (Perkins 1974; Thurman 1997), sendo observadas nesta situação as maiores amplitudes entre as marés altas e baixas, referida pela comunidade científica como “maré de sizígia”, e de acordo com os catadores de caranguejo como “maré de lua”.
Durante um período de aproximadamente sete dias, os astros movimentam-se, saindo de uma situação de conjunção, dirigindo-se para uma situação de quadratura, onde o sol e a lua formam um ângulo reto em relação a terra. Nessa situação, observam-se as menores variações entre as marés altas e baixas, referida pela comunidade científica como “maré de quadratura” e pelos catadores de caranguejo como “maré de quarto” (minguante ou crescente). Por alguns dias, próximo à quadratura, as oscilações entre as marés baixas e altas são mínimas. Este período é conhecido pelos catadores como “maré morta”. O final da maré morta, quando a lua começa a mudar de fase (para quarto minguante ou crescente), é denominado pelos catadores de caranguejo como “cabeça de água morta” (Figura 3).
            De acordo com os catadores, o início e o término do processo de “embatumamento” dependem diretamente das fases da lua e de sua influência nas variações do nível das marés. Eles sugerem que o início (obstrução da abertura da toca) e o final (saída da toca após a muda) do embatumamento ocorrem durante a maré de quebramento (quadratura). Nessas ocasiões, o substrato do mangue, ainda úmido (mole), ofereceria condições favoráveis às etapas (inicial e final) do processo de ecdise da espécie U. cordatus.
            O mar, o manguezal e o interior das galerias são citados como locais de desova do caranguejo-uçá. Segundo os catadores, após o acasalamento, as fêmeas se entocam para o desenvolvimento dos ovos, em seguida desenterram-se e deslocam-se sobre o mangue em direção ao mar, onde as ovas serão liberadas. Há, ainda, relatos de que a fêmea também pode entocar-se em suas galerias para alimentar os ovos e proporcionar condições para o desenvolvimento das fases de ovo, larva e pós-larva (CAVALCANTE et al , 2011).
            Quanto aos aspectos de área de desova, Ivo e Gesteira (1999) declaram que, após o acasalamento, a fêmea se dirige ao mar onde irão eclodir as larvas. Entretanto, Nascimento (1986) apud Ivo e Gesteira (1999) acredita que este fenômeno ocorre no mangue local, onde as fêmeas mantêm as toca. Isso pode ser constatado pela presença de fêmeas ovígeras e de larvas na coluna d’água. Para Simit e Diele (2004), as larvas recém-eclodidas são levadas pela maré vazante para as águas costeiras, onde se desenvolverão até retornarem para o manguezal, mas, segundo Pinheiro e Fiscarelli (2001), não há registros de andadas específicas para fêmeas ovígeras que, saem das galerias e deslocam-se para a margem dos rios e córregos do manguezal, onde ocorre a eclosão de suas larvas.
            O período de muda é percebido devido ao aspecto mole e leitoso que o animal apresenta e à observação de galerias tampadas, o que determina uma fase de baixa produtividade da atividade, uma vez que os caranguejos tornam-se impróprios para o consumo. 
            Conhecedores e moradores que dependem do ecossistema manguezal, os catadores sabem que os manguezais são extremamente frágeis e vêm sofrendo severos impactos ambientais que, consequentemente, acarretam em ameaças a qualquer atividade dependente desse ecossistema, reduzindo, por exemplo, a incidência do caranguejo na região.
             Desta forma, a implementação de medidas conservacionistas visando à preservação dos manguezais e ecossistemas costeiros necessitam integrar o conhecimento das comunidades tradicionais que vivem próximas ou inseridas nessas áreas. O conhecimento local é um recurso valioso que deve ser considerado em planos de desenvolvimento e em estudos de manejo do meio ambiente (Alves e Rosa, 2005; Drew, 2005; Pedroso Junior e Sato, 2005), sendo impossível desenvolver modelos sustentáveis de apropriação dos recursos naturais sem antes estudar a experiência adquirida pelas culturas locais durante os ciclos de interação com o ecossistema (TOLEDO e CASTILLO, 1999).

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
            O conhecimento tradicional dos catadores do caranguejo sobre o uso de recursos naturais deve ser considerado, pois, este conhecimento desenvolvido por povos tradicionais, serve como fonte de informação a respeito do status atual dos recursos, da dinâmica dos ecossistemas e das características ambientais locais, produzindo informações teórico-prática, sobre como manejar, conservar e utilizar os recursos naturais de maneira mais sustentável.
            Estudos constantes a cerca da exploração dos recursos de manguezais são imprescindíveis para que práticas de manejo e ações conservacionistas adequadas sejam aplicadas de forma coerente, visando manter a diversidade biológica e o desenvolvimento cultural social e econômico local desta área.

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, L. F.; MELLO, C. F. Estudo preliminar da biologia e ecologia do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Crustacea, Decapoda, Brachyura), no Município de Curuçá (PA) – Uma contribuição ao manejo de recursos em áreas de manguezais. Anais da 3ª Reunião Especial da SBPC, Ecossistemas Costeiros: Do conhecimento a gestão, Florianópolis, SC. p. 499. 1996.
ALVES, R. R. D.; NISHIDA, A. K. Moulting of the mangrove crab Ucides cordatus L. (Decapoda, Brachyura) according to the perception of the crab collectors. Interciencia, 27 (3): 110- 116. 2002.
ALVES, R.R.N, NISHIDA, A.K. Aspectos socioeconômicos e percepção ambiental dos catadores de caranguejo-uçá, Ucides cordatus cordatus (L. 1763) (Decapoda, Brachyura), no estuário do Rio Mamanguape, Nordeste do Brasil. Interciência 28: 36-43. 2003.
ALVES, R. R. N.; ROSA, I.L. Why study the use of animal products in traditional medicines? J. Ethnobiol. Ethnomed. 1: 1-15. 2005.
BARBIER, E.B. Valuing environmental functions: tropical wetlands. Land Econ.70: 155-173. 1994.
BASTOS, M. N. C. 1988. Levantamento florístico em restinga arenosa litorânea na Ilha de Maiandeua-Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Botânica 4, 159-173.
BRASIL. Lei 9.985/2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal; institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da
Natureza e dá outras providências. 2000. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm>. Acesso em: 15 de nov. 2010.
_____________.Instituto Chico Mendes da Biodiversidade. Unidades de Conservação. 2014a. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/unidades-de-conservacao/biomas-brasileiros.html. Acesso em 09 de Fev. 2014.
_____________.Instituto Chico Mendes da Biodiversidade. Unidades de Conservação. 2014b. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/comunicacao/noticias/5044-tres-novas-reservas-extrativistas-marinhas-sao-criadas-no-para.html. Acesso em 09 de Fev. 2014.
CAETANO, H. S. Da ocupação do território: práticas e interações entre marisqueiras no ambiente pesqueiro. R. Gest. Sust. Ambient., Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 204 – 222. out.2014/mar.2015.
CONSTANZA, R.; D`ARGE, R.; DE GROOT, R.; FARBER, S.; GRASSO, M.; HANNON, B.; LIMBURG, K.; NAEEM, S.; O`NEILL, R.V.;PARUELO, J.; RASKIN, R. G.; SUTTON, P.; VAN DEN BELT, M. The value of the world`s ecosystem services and natural capital. Nature, 387: 253-260. 1997.
CASTRO, JOSUÉ DE. Fatores de localização da cidade do Recife: um ensaio de geografia urbana. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional. 1948
CASTRO, JOSUÉ DE. Homens e caranguejos. São Paulo, Brasiliense. 1967.
CAVALCANTE, A. N.; ALMEIDA, Z. S.; PAZ, A. C.; NAHUM, V. J. I. Análise multidimensional do sistema de produção pesqueira caranguejo-uçá, Ucides cordatus, no município de Araioses, Maranhão – Brasil. Arq. Ciên. Mar, Fortaleza, 44(3): 87 – 98,  2011.
CUNHA, M. C.; ALMEIDA, M. W. B. Quem são as populações tradicionais?. 2001.  Disponível em: <http://uc.socioambiental.org/territ%C3%B3rios-de-ocupa%C3%A7%C3%A3o-tradicional/quem-s%C3%A3o-as-popula%C3%A7%C3%B5es-tradicionais>. Acesso em: 23 de abril. 2015.
DIEGUES, A. C. Pescadores, Camponeses e Trabalhadores do Mar. São Paulo, SP: Ática, 1983.
DIEGUES, A. C.; ARRUDA, R. S. V. Saberes Tradicionais e Biodiversidade no Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. São Paulo: USP, 2001.
DIEGUES, A. C. S. Aspectos socioculturais e políticos do uso da água. In: Plano Nacional de Recursos Hídricos. Brasília: MMA, 2005. Disponível em: <http://nupaub.fflch.usp.br/sites/nupaub.fflch.usp.br/files/color/agua.pdf>. Acesso em: 22 abril. 2015. 
DIELE, K. Life history and population structure of the explorted mangrove crab Ucides cordatus cordatus (L.) (Decapoda: Brachyura) in the Caeté estuary, North Brazil. Zentrum für Marine Tropenökologie – ZMT. Bremen. 2000. 130p.
DREW, J. A. Use of traditional ecological knowledge in marine conservation. Cons. Biol. 19: 1286-1293.2005.
FIRMO, A.M.S.; TOGNELLA, M.M.P.; SILVA, S.R.; BARBOZA, R.R.D.; ALVES, R.R.N. Capture and commercialization of blue land crabs (“guaiamum”) Cardisoma guanhumi (Lattreille, 1825) along the coast of Bahia State, Brazil: an ethnoecological approach. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, 8: 1-12. 2012.
FISCARELLI, A. G.; PINHEIRO, M. A. A. Perfil sócio-econômico e conhecimento etnobiológico dos catadores de Iguape (SP), sobre o caranguejo de mangue Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) Actualidades Biologicas, 24: 129-142. 2002.
FURTADO, L. G. Formas de utilização de manguezais no litoral do estado do Pará: Casos de Marapanim e São Caetano de Odivelas. Amazônia: Ci. &Desenv. Belém, V.1, n 2, jan./jun. 2006.
FURTADO, L. G; SANTANA, G; DA SILVEIRA, I.M. Cadernos da Pesca: Informes de pesquisa. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.V.4, p.112. 2009.
GALIZONI, F. M.; RIBEIRO, E. M. Bem comum e normas costumeiras: a ética das águas em comunidades rurais de Minas Gerais. Ambiente & Sociedade, v. 14, n. 1, p. 77-94, 2011.
GILBERT, A.J.; JANSSEN, R. Use of environmental functions to communicate the values of a mangrove ecosystem under different management regimes. Ecological Economics, 2: 323-346. 1998.
GLASER, M.; K. DIELE. Asymmetric outcomes: Assessing central aspects of the biological, economic and social sustainability of a mangrove crab fishery, Ucides cordatus (Ocypodidae), in North Brazil. Ecological Economics 49 (3): 361373. 2004.
GÓES, P.; SAMPAIO, F. D. F; CARMO, T. M. S.; TOSO, G. C; LEAL, M. S. Comportamento e período reprodutivo do caranguejo do mangue Ucides cordatus. Anais do V Simpósio de Ecossistemas Brasileiros: Conservação, Universidade Federal do Espírito Santo, v. 2, p. 335-345. 2000.
HAMILTON. L.; DIXON, J.; MILLER, G. Mangroves: an undervalued resource of the land and the sea. Ocean Yearbook, 8: 254- 288. 1989.
ISAAC, V.J. Plano de Gestão Integrada dos Recursos Pesqueiros com Enfoque Ecossistêmico para as Nove Reservas Extrativistas Marinhas do Litoral Paraense. Produto nr. 4.relatório final.UFPA,Belém,2013. (Inédito).

IVO, C.T.C.; GESTEIRA, T.C.V. Sinopse das observações sobre ecologia e pesca do caranguejo-uçá Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763), capturados em estuários de sua ocorrência no Brasil. Bol. Téc. Cient. CEPENE, Tamandaré, v.7, n.1, p.9-52, 1999.
JOHANNES, R.E. Working with fishermen to improve coastal tropical fisheries and resource management. Bull. Marine Sci. 31: 673-680. 1981.
JOHANNES, R.E. Fishing and traditional knowledge. In: Johannes RE (Ed) Traditional Ecological Knowledge: a Collection of Essays. IUCN. Gland. pp 39-42.1989.
KAPLOWITZ, M.D. Assessing mangrove products and services at the local level: the use of focus groups and individual interviews. Landscape and Urban Planning, 56: 53-60. 2001.
Kjerfve, B.; Perillo, G. M. E.; Gardner, L. R.; Rine, J. M.; Dias, G. T. M.; Mochel, F. R.. Morphodynamics of muddy environments along the Atlantic coasts of North and South America. In. Healy, T. R.; Wang, Y.; Healy, J. A. (Eds). Muddy Coasts of theWorld: Processes, Deposits and Functions. Elsevier, Amsteram, Netherlands. 2000; p. 479-532.

LITTLE, P. E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Brasília: UnB, 2002. (Série Antropologia, 322).
LUEDERWALDT, H. Os manguezais de Santos. Rev. Mus. Paulista, São Paulo, 11: 309-408. 1919.
MACIEL, N. C. Alguns Aspectos da Ecologia da Manguezal. In: Alternativas de Uso e Proteção dos Manguezais do Nordeste. CPRH, Série Publicações Técnicas, Recife. p. 9-37.
1991.
 MORAES, S.C.; ALMEIDA, N.J.R. Saberes e sustentabilidade no manguezal da São Caetano de Odivelas-PA. Revista Movendo Ideias. Vol. 17, Nº 1 - janeiro a junho de 2012.
MORIN-LABATUT, G.; AKHTAR, S. Traditional environmental knowledge: a resource to manage and share.Development 4: 24-30.1992.
NASCIMENTO, A.S. Biologia do caranguejo-uçá Ucides cordatus. ADEMA. Aracaju. 1993. 48 p.
NISHIDA, A.K. Catadores de moluscos do litoral Paraibano. Estratégias de subsistência e formas de percepção da natureza. Tese de doutorado, UFSCar. São Carlos. 2000, 120 p.
NORDI, N. A. captura do caranguejo-uçá (Ucides cordatus) durante o evento reprodutivo da espécie: o ponto de vista dos caranguejeiros. Revista Nordestina de Biologia 9: 41-47. 1994.
OLIVEIRA, M. do V.; MANESCHY, M. C. A. Territórios e territorialidades no extrativismo de caranguejos em Pontinha de Bacuriteua, Bragança, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 9, n. 1, p. 129-143, jan.-abr. 2014.
PEDROSO JÚNIOR, N. N.; SATO, M. Ethnoecology and conservation in protected natural areas: incorporating local knowledge in Superagui National Park management. Braz. J. Biol. 65: 117-127. 2005.
PERKINS, E.J. The biology of estuaries and coastal waters. Academic Press. New York. 1974. 678 p.
PINHEIRO, M.A.A.; FISCARELLI, A.G. Manual de apoio à fiscalização do caranguejo-uçá (Ucides cordatus). Centro de Pesquisa e Gestão dos Recursos Pesqueiros do Litoral Sudeste e Sul do Brasil/IBAMA, 43 p., Itajaí, 2001.
POSEY, D.A. Os Kaiapó e a natureza. Ciência Hoje 2 (12): 35-41.1984.
PROST, M. T; MENDES, A. C. (Orgs.). Ecossistemas costeiros: impactos e gestão ambiental. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2. Ed. Rev. Atual.  2013.
ROCHA, M.S.P.; MOURÃO, J.S.; SOUTO, M.S.W.; BARBOZA, R.R.D.; ALVES, R.R.N. O uso dos recursos pesqueiros no Estuário do Rio Mamanguape, Estado da Paraíba, Brasil. Interciencia 33: 903-909. 2008.
RODRIGUES, A.M.T.; BRANCO, E.; SACCARDO, S.A.; BLANKENSTEYN, A. A. explotação do caranguejo Ucides cordatus (Decapoda: Ocypodidae) e o processo de gestão participativa para normatização da atividade na região Sudeste- Sul do Brasil. Boletim do Instituto de Pesca 26: 63-78.2000.
RONNBA, C.K. P. The ecological basis for economic value of seafood production supported by mangrove ecosystems. Ecological Economics, 29: 89 235-252. B. Inst. Pesca, São Paulo, 32 (2): 221- 228, 2006 228. 1999.
Santos, J. V. M.; Rosario, C. S. 1988. Levantamento da vegetação fixadora das dunas de Algodoal-PA. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Botânica 4, 133-154.

SCHAEFFER – NOVELLY, Y.; CINTRÓN, G. Guia para Estudo de Áreas de Manguezal- Estrutura, Função e Flora. Caribbean Ecological Research.150 p. 1986.
SCHAEFFER-NOVELLI, Y. Manguezal: Ecossistema entre a terra e o mar. São Paulo, (s/ editora). 1995. 64 p.
SCHAEFFER-NOVELLI, Y.; CINTRÓN-MOLERO, G. 1999. Brazilian mangroves: a historical ecology. Ciência e Cultura, 51(3/4): 271-286.
SENNA, C. et al. Impactos naturais e antrópicos em manguezais do litoral nordeste do estado do Pará. In: FURTADO, L. G.; QUARESMA, H. D. B. Gente e ambiente nomundo da pesca artesanal. Belém: MPEG, 2002.
SILLITOE, P. The development of indigenous knowledge: a new applied anthropology. Current Anthropol. 39: 223-252. 1998.
SILVEIRA, F.L.A.; SOUZA, C.S. Imaginário, trabalho e sexualidade entre os coletores de caranguejo do salgado paraensE. Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 755-780, setembro-dezembro/2014.
SILVA, C. J. F. COSTA, R. S. LOPES, P. M. A Exploração de Anomalocárdia Brasiliana (Gmelin, 1791) (Molusca Bivalve Veneridae) por marisqueiros de Grossos (RN) sob a perspectiva do forrageio ótimo. Disponível em: <http://sites.unisanta.br/simposiobiomar/2010/trabalhosap/66.pdf>. Acessado em: 22 de Abril de 2015.
SIMIT, D.; DIELE, K. Caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Linnaeus, 1763). Universidade Federal do Pará, Belém, 2004.
SOARES, J.C.C; GOMES, J.M.A. A pobreza e as condições de trabalho dos catadores de caranguejo no povoado de Carnaubeiras, Araioses – MA.  O Social em Questão - Ano XVIII - nº 31 - 2014.
SOUTO, F. J. Da Lama Ao Caos: A Ciência Que Veio Do Mangue. São Carlos. 2004, 505p. (Tese de Doutorado. Universidade Federal de São Carlos).
SOUTO, F. J. B. Uma abordagem etnoecológica da pesca do caranguejo, Ucides cordatus, Linnaeus, 1763 (Decapoda: Brachyura), no manguezal do Distrito de Acupe (Santo Amaro-BA). Biotemas, n. 20, p. 69-80, 2007.      
SOUZA-FILHO, P. W. M.; MIRANDA, F. P.; Beisl, C. H.; ALMEIDA, E. F.; Gonçalves, F. D. Environmental sensitivity mapping for oil spill in the Amazon coast using remote sensing and GIS technology. In. International Geoscience and Remote Sensing Symposium. Anchorage, Alaska. Resumos. IGARSS/IEEE. CD-ROM. 2004.

SOUZA-FILHO, P. W. M.; SALES, M. E. C.; PROST, M. T. R. C.; COSTA, F. R.; SOUZA, L. F. M. O. Zona Costeira Amazônica: O cenário regional e os indicadores bibliométricos em C & T. In. Bibliografia da Zona Costeira Amazônia – Brasil. Museu Paraense Emílio Goeldi. Universidade federal do Pará, Belém. 2005.P. 9-20.

 THOMAS, K. O homem e o mundo natural. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
TOLEDO, V. M., CASTILLO. A. La ecología Latinoamérica: siete tesis para una ciencia pertinente en una región en crisis. Interciencia 24: 157-168. 1999.
THURMAN, H.V.Introductory Oceanography. New Jersey: Prentice Hall. 544 p. 1997. 
WALTER, T.; WILKINSON, J.; SILVA, P. de A. A análise da cadeia produtiva dos catados como subsídio à gestão costeira: as ameaças ao trabalho das mulheres nos manguezais e estuários no Brasil. RGCI,  Lisboa ,  v. 12, n. 4, dez.  2012 .   Disponível em <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S164688722012000400008&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  23  abr.  2015.
VERGARA FILHO, W. L. Criação e Gestão de Reserva Extrativista Marinha em Área de Manguezal com Ênfase no Litoral Paraense. [2007]. (Texto confeccionado para o CNPT)
VANNUCCI, MARTA. Os manguezais e nós: uma síntese de percepções: versão em Português de Denise Navas-Pereira. 2ª ed. São Paulo: EDUSP, 2002.


Recibido: 04/02/2016Aceptado: 25/04/2016Publicado: Abril de 2016

Comentarios sobre este artículo:

No hay ningún comentario para este artículo.



Nota Importante a Leer:

Los comentarios al artículo son responsabilidad exclusiva del remitente.

Si necesita algún tipo de información referente al articulo póngase en contacto con el email suministrado por el autor del articulo al principio del mismo.

Un comentario no es mas que un simple medio para comunicar su opinion a futuros lectores.

El autor del articulo no esta obligado a responder o leer comentarios referentes al articulo.

Al escribir un comentario, debe tener en cuenta que recibirá notificaciones cada vez que alguien escriba un nuevo comentario en este articulo.

Eumed.net se reserva el derecho de eliminar aquellos comentarios que tengan lenguaje inadecuado o agresivo.

Si usted considera que algún comentario de esta página es inadecuado o agresivo, por favor,pulse aqui.

0 Replies to “Catadores De Caranguejo No Essay”

Lascia un Commento

L'indirizzo email non verrà pubblicato. I campi obbligatori sono contrassegnati *